Corpos celestes

Free Nature Stock — Pexels

— Celeste, você vai mesmo passar a noite toda olhando para o céu dessa janela?

— Faz tempo que eu não faço isso de parar e olhar…

— E pensar, né? Você adorava essas coisas de astronomia quando criança. Sua mãe sempre comenta que soube que escolheu o nome perfeito para você quando você pediu um telescópio de Natal, não uma bicicleta, como todas as crianças pediam mesmo quase nenhuma podendo ganhar.

— Sabe o que me intriga? Isso de medir distância por ano-luz. De saber que quando eu olho para o céu agora, eu vejo o passado. Que alguma dessas estrelas que brilham para mim agora nem existem mais e que muitas que existem só poderão ser vistas daqui quando não existir mais humanidade. Que tempo e distância podem se combinar para mostrar o quanto a gente não entende nada de nenhum dos dois.

— Você vai rir de mim agora. Eu acho.

— Lá vem…

— Presta atenção e pensa aqui comigo: o céu que a gente vê é uma folha de um diário que chegou nas nossas mãos e agora a gente tenta imaginar o resto do que foi escrito só com isso que a gente tem.

— Mas a tecnologia…

— Celeste, você não gosta só de astronomia, você gosta também de história e literatura!

— Você não vai parar de rir mais disso, né?

— Vem cá, chega mais perto dessa janela e vem ser historiadora do Universo comigo!

— Você não vai encontrar nada de romance nisso, Naty.

— Não? E quando estrelas se fundem e formam uma supernova mais brilhante? Isso não é o que o amor fez com a gente?

— Ai, ai, você não vai parar com essa bobagem, né?

— Não, porque você está rindo toda hora. Tá adorando viajar comigo que eu sei! Ah lá! Tá rindo mais ainda agora!

— O que você quer com isso, meu amor?

— Quero te fazer rir até a gente ostentar para o Universo, bem dessa janela, um beijo daqueles.


Esse texto foi feito originalmente para complementar a minha última newsletter. Já em isolamento social. Como o quinto tema do #EscritaNaQuarentena era escrever uma cena clichê com personagens “fora do padrão”, optei por publicá-lo aqui. Digamos então que eu iniciei esse desafio de escrita criativa antes mesmo dele ser lançado, ok?

Saiba mais sobre o #EscritaNaQuarentena nesse post do Twitter ou no Medium, participe, explore a hashtag e se divirta.

Publicado por

Thaís Campolina

O que falta em tamanho sobra em atrevimento. Isso foi dito sobre um galinho garnisé numa revista Globo Rural dos anos 80, mas também serve pra mim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s