estar onde não estou

Sol da manhã (1952) – Edward Hopper

a cortina entreaberta
deixa entrar no quarto
um estilhaço da golden hour
que acontece lá fora
enquanto eu durmo
usando uma camisola
que me deixa escapar
um pedaço do peito

a luz solar alaranjada
invasora da minha janela
ultrapassa as fronteiras da roupa de cama
e ocupa o outro lado da pálpebra
desmanchando tudo que se conhecia até então

acordar é sempre uma explosão

esse poema foi escrito durante uma oficina ministrada pela Isabela Sancho no portal Fazia Poesia. se você gostou, deixe um comentário, compartilhe com seus amigos e me acompanhe também pelo Medium,  Facebook,  Twitter,  Tinyletter  e  Instagram.

Publicado por

Thaís Campolina

O que falta em tamanho sobra em atrevimento. Isso foi dito sobre um galinho garnisé numa revista Globo Rural dos anos 80, mas também serve pra mim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s