a memória dos rinocerontes

cacareco foi uma rinoceronte fêmea 
que comia sem frescura
caules raízes 
ervas folhas
se era mato
ia pra dentro

até que um dia
cacareco recebeu 
100 mil votos para vereadora
da maior cidade de um país 
que nem era o seu

cacareco nunca assumiu cargo político algum
nem ficou sabendo das 100 mil pessoas
que escreveram em uma cédula em branco
seu nome

cacareco simplesmente continuou 
comendo as plantas lenhosas
que nasciam na sua jaula
do zoológico
se era mato
ia pra dentro
até que um dia
cacareco virou memória

todo poema é feito de cacarecos
rinocerontes ou não

nem todo poema é feito 
do que se encontra 
nos anais da história
mas esse é

se você gostou desse poema, deixe um comentário, compartilhe com seus amigos e me acompanhe também pelo Medium,  Facebook,  Twitter,  Tinyletter  e  Instagram.

Publicado por

Thaís Campolina

O que falta em tamanho sobra em atrevimento. Isso foi dito sobre um galinho garnisé numa revista Globo Rural dos anos 80, mas também serve pra mim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s